Encontre no blog

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Yoga, Alimentação e a Maratona de São Paulo 2017


Vista da largada - Parque Ibirapuera

Desde que comecei os treinos para a Maratona Internacional de São Paulo, ocorrida no último domingo (09/04/17), data mais que especial, pois é aniversário da minha querida mãe, eu já não consumia nada de origem animal há um ano e quatro meses, sendo que sou vegetariano há mais de uma década.

Bem, quando comecei com a questão dos treinos, eu já me sentia muito bem, e muitos me perguntavam como eu conseguia fazer treinos de tantos quilômetros sem comer carne? Esse é, certamente, um dos mitos mais interessantes – por assim dizer – que ouvimos por aí.

A questão, apesar de ser um mito (de fato, uma piada), não pode ser deixada de lado. Muitos param de comer carne e, mesmo sem fazer exercícios intensos como treinos para Maratonas, ficam doentes... Mas então, por que? Porque comem de forma errada: quantidades erradas e alimentos escassos, o que ocasiona, por óbvio, falta de nutrientes no organismo.

Para uma alimentação correta, balanceada, faz-se necessário um acompanhamento com alguém que entende do assunto. No meu caso, o que fiz para melhorar MUITO meu rendimento nos treinos, e que certamente me fez conseguir atingir meu objetivo domingo passado, foi a orientação certeira da nutricionista Gláucia Albertoni, que além de ter a formação em Nutrição é Bioquímica é também vegana, like me

As práticas de Yoga, por sua vez, me trouxeram diversos benefícios: fisicamente, preparei meus músculos e estruturas todas (principalmente ligamentos, tendões e articulações) através das posturas (ásanas) e, psicologicamente, fiz o preparo através de respirações, relaxamentos e meditação. Todo esse conjunto da prática é muito completo, o que me deixou muito confiante e preparados para todos os treinos e para a prova final em si. 

Os treinos foram intensos, três vezes na semana, numa planilha maluca de quilômetros a serem cumpridos, para que o meu corpo fosse “levado” a um patamar que o deixasse preparado para a prova final – os quarenta e dois intermináveis quilômetros. Os treinos, somados à prática do Yoga e à disciplina alimentar, fizeram com que eu conseguisse realizar a prova de maneira muito bacana: dizer que não teve sofrimento seria mentira de minha parte, mas a diversão da corrida e os aprendizados que levamos para a vida toda a partir de então, me fazem QUASE esquecer das dores ocasionadas pelo grande esforço. Ao final, eu estava cansado e com dores, mas a resiliência, o emocional, a maturidade, e muitos outros fatores, tornaram-me uma nova pessoa.

Seria, de certa forma, impossível de se transcrever em palavras tudo que senti e aprendi com a realização desse sonho, porém algumas coisas ficaram muito claras para mim:

- Nunca duvide de si mesmo
- Trace seus planos e os siga, NO MATTER WHAT
- Não de ouvidos à torcida, muitas vezes a torcida é contra você
- Cuide de seu corpo, sua saúde física e mental
- Cuide de sua alimentação, é imprescindível
- Sempre que possível, consuma alimentos orgânicos
- Descanse e tenha momentos de “fazer nada”
- Sua vitória depende apenas de você, a responsabilidade do sucesso é 100% sua
- Quando tiver vontade de parar ou desistir de seu sonho, não o faça
- E claro, pratique Yoga! 


A alimentação saudável me permite viver livre das toxinas da carne, dos hormônios e antibióticos e todas as outras porcarias que são injetadas nos animais. Isso colabora não apenas para ter conquistado a marca dos 42 km, como também para seguir minha jornada em liberdade física, mental e espiritual, GOOD KARMA.

Respeito todas as formas de viver (desde que não acarrete problema ao próximo), porém ouvir que “temos que consumir carne...” é algo inaceitável. A informação está disponível a todos e bastam alguns poucos estudos para se entender que isso é meramente fruto da indústria e dos costumes.

Estamos aqui (na Terra) para melhorarmos como seres, e isso implica – além de muitas coisas – em vivermos de maneira harmoniosa com nós mesmos, com os animais, com a natureza.
Sigo a vida, com práticas e treinos juntamente com minha alimentação livre de tudo que seja de origem animal – e minha saúde vai muito bem, obrigado ! 


Eu (exausto) e a mama aniversariante!


Abraços, Namastê ! 

sábado, 7 de novembro de 2015

A Paz das Coisas Selvagens



“Quando o desespero com as coisas do mundo cresce, e ao menor ruído noturno eu acordo amedrontado com relação à minha vida e à vida dos meus filhos, eu vou e me deito onde o cisne repousa com beleza na água, e onde a garça se alimenta. Eu penetro na beleza das coisas selvagens que não consomem suas vidas cultivando pensamentos sombrios. Entro no estado de calmaria da água. E sinto que acima de mim as estrelas esperam com sua luz a invisibilidade do dia. Por um tempo eu descanso na graça do mundo, e sou livre." 

Wendell Berry

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Resultados rápidos e a cultura da pressa




Vez por outra, gosto de ouvir as músicas que eu usava nos meus primeiros “treinos” de corrida, há alguns anos. A primeira delas, durava menos de três minutos e meio – eu não chegava nem na metade da música correndo (tinha que alternar entre corrida e caminhada). 

Após algumas semanas, eu consegui evoluir para uma música com duração em torno de sete minutos – ah, que evolução deliciosa... Quando cheguei em 7 ou 8 minutos, já não precisava alternar caminhada com corrida, portanto eu só corria (sem precisar parar ou caminhar). 

Hoje, passados dois anos do início dos treinos, participo de provas com mais de uma hora (10km ou mais) com certa tranquilidade e, importante destacar, tenho várias playlists muito bacanas para ouvir nos quilômetros a serem transpassados. Mas não me esqueço das primeiras músicas !! 

O que percebo é que as pessoas buscam resultados rápidos para questões que, nem sempre, são possíveis de serem tratadas em curto prazo. A cultura da pressa ficou estabelecida e espalha-se por todos. Muitos perderam a perseverança, o foco e a dedicação para conseguirem algo. 

Exemplo disso é a pessoa que tem determinada dor física por cinco anos e, quando inicia as práticas de Yoga (muitas vezes, por indicação do próprio médico), quer ter sua dor “curada” em poucas aulas. Outro clássico exemplo são pessoas que tomam anabolizantes. Ou ainda aqueles que tomam drogas para obter a fuga da realidade em que vivem, ou sentir o prazer imediato etc. A lista é longa, todos nós podemos enumerar exemplos do tipo. 

Um dos fatores complicantes de se viver na cultura da pressa é que nosso corpo - e até mesmo a própria vida - não funciona assim. Todo processo tem um tempo de início, outro para crescimento, depois maturação, até chegar ao fim (afinal, tudo que é material acaba). 

Para se atingir os objetivos traçados, deve haver preparação, perseverança, reavaliação de conceitos, flexibilidade e tudo que possa contribuir para o caminho a ser trilhado até o objetivo final. 

Observam-se tantas promessas de resultados rápidos: ganhos financeiros incríveis em jogos de azar, investimentos promissores, além das famosas dietas e shakes milagrosos, entre outros. Mas cuidado, a prudência e o discernimento precisam ser exercitados para que decisões corretas sejam tomadas. Só assim o caminho até o resultado a ser alcançado pode ser suave e harmônico. 

O que te move? Quais as ações que você faz diariamente para seguir seu caminho que você mesmo traçou? 

A pior situação é para os que não têm objetivo(s) claros. Estes precisam de uma reavaliação completa de si para traçar um plano, um caminho a seguir. Sem objetivos, todos os dias são iguais, vive-se num passado (ruim) e num futuro que não existe. Os anos passam e nada acontece. É ficar em constante aguardo da tão esperada sexta-feira. É estar na corrida dos ratos, na roda-viva, sem fim.

Não acredite em resultados rápidos. Esforce-se, dedique-se. O melhor caminho não é o mais curto, mas também não precisa ser o mais árduo. Atente-se para a cultura da pressa e não a siga. Lembre-se que a árvore mais forte é aquela com as raízes mais profundas, e isso não se consegue de um dia para o outro. 

Om Shantih. Paz. 

Namastê.  

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Prática de Meditação


Novidade no Yoga Sorocaba !! 

Toda quinta, uma oportunidade de silenciar, voltar-se a Si Mesmo e experimentar o mergulho na Paz. 

Inscrições abertas, vagas limitadas. 


Namastê. 

quarta-feira, 29 de abril de 2015

MEDO DE VOAR



Do livro "Gitanjali", de Rabindranath Tagore 

"Tenazes são os obstáculos, mais dói o meu coração quando tento vencê-los. A libertação é tudo que eu desejo, mas tenho vergonha de esperar por ela. Tenho certeza de que há em ti um tesouro inestimável e que és o meu melhor amigo, mas não tenho coragem de varrer a quinquilharia do meu quarto. O manto que me cobre é manto de poeira e morte; odeio-o, mas abraço-o com amor. Pesadas são as minhas dívidas, enormes as minhas faltas, e a minha vergonha é secreta e grave, mas quando venho reclamar o meu bem, tremo de medo que seja atendida a minha súplica." 

Namastê. 

quarta-feira, 15 de abril de 2015

CAOS URBANO




Acabo de ver um vídeo chocante de uma adolescente, estudante, espancando a outra “colega” de classe em meio a todos os demais alunos - e professor - durante uma aula na escola. A maioria dos que estavam em volta, se afastou. Alguns “filmaram” com o celular. Outros, ainda, gritavam para que alguém separasse as duas e, também, chamavam pelo nome da agressora e imploravam para que ela parasse. 

Posto isso, sentimentos nada agráveis chegaram e me fizeram recordar o que ainda tenho em mim. Indignação, impotência, raiva... 

Quando vejo situações como essa, uma sequência se segue: 

- indignação, pelo fato em si;
- impotência, porque não tenho como controlar a situação e/ou as demais pessoas (no caso, a garota que violentava a outra) – o que é uma grande pretensão que por vezes ocorre; e
- raiva, por sentir vontade de que a agressora sofresse o mesmo (para “ver o que é bom”). 

Houve muitos outros “estágios” nesse torpor que a Mente me causou naqueles momentos alucinantes, mas esses foram os principais. 

Por Deus que estou no caminho do Yoga há algum tempo. Isso, porque se não fossem os preceitos que sigo, eu teria deixado com que esses sentimentos me fizessem “voltar às origens”, quando eu era mais instintivo do que espiritualizado. Não que seja lá grandes coisas (risos), mas gosto de pensar que “hoje é melhor que ontem”. 

Através desse vídeo, que me fez recordar as desagradáveis sensações citadas acima, pude identificar o que senti, ou seja, o discernimento ocorreu no momento certo. Ele foi o gatilho, o estopim para que o processo fosse despertado. 

Dessa forma, pude interiorizar e me recordar do YAMA mais importante do Yoga: AHIMSA, ou “não violência”. Alguns ainda acrescentam que Ahimsa é a “abstinência a agredir outros, inocência, não causar dor a qualquer criatura por pensamento, expressão, escrita, em qualquer momento”. 

Ahimsa não é apenas praticar a não violência “simples” (ou óbvia), mas muito mais que isso, é ficar extremamente chocado com situações como essas, que nos mostram irmãos em tanto caos, com perdições violentas e escravizantes de si próprios. É simplesmente não aceitar que isso possa existir. Ahimsa é sentir a tristeza profunda diante de violência no geral, principalmente com jovens que, atormentados pela vida que levam, perdem a grande oportunidade de viverem de forma simples e em paz, com respeito a si próprios e ao próximo. 

Que eu possa continuar com o trabalho que o Yoga me permite, de interiorizar, buscar meu “lago interior” e percebê-lo em paz, refletindo a verdadeira face da Fonte, da Vida, de Deus. 

Namastê. 


sexta-feira, 3 de abril de 2015

Os Yamas e Nyamas aplicados ao mundo Corporativo



Para os que conhecem a Filosofia do Yoga, o título pode ter um impacto paradoxal. Isso porque o que se observa no mundo Corporativo atual, com o capitalismo elevado ao extremo e sem limites para a obtenção do máximo lucro, é o contrário do que os preceitos do Yoga nos são apresentados.

Vejamos a definição de cada um deles:

Yamas: são os preceitos voltados para a autodisciplina. É como se harmonizar com os demais seres. São eles:

- Ahimsâ: Não violência;
- Satya: Compromisso com a Verdade;
- Asteya: Honestidade;
- Brahmacharya: Castidade;
- Aparigraha: Renúncia ao sentimento de posse.

Nyamas: são os princípios de autocontrole. Servem para o praticante se harmonizar com a Vida e com a realidade transcedental. Seguem:

- Saucha: Pureza (física e mental);
- Samtosha: Contentamento, bem estar;
- Tapas: autosuperação, esforço sobre si mesmo;
- Svâdhyâya: Autoestudo, observar-se;
- Îshvara-pranidhâna: Devoção, entrega ao Senhor.


Dessa forma, agora que pudemos observar os preceitos éticos e morais da Filosofia descritos acima, podemos fazer uma avaliação (mesmo que breve e simplista) do mundo dos Negócios e comparar com o que estes princípios nos ensinam.

Atualmente, o estresse domina o trabalhador. Nas grandes cidades, o agravante do trânsito excessivo atrapalha ainda mais sua vida. Todas as condições que lhe são impostas são ricas em mantê-lo doente física e emocionalmente. Na maioria das vezes, não há tempo para a família, cuidados com si próprio (praticar um esporte ou algo que se goste) ou até uma viagem – esta, parece que sempre é protelada.

Assim, sem tempo para si e com o relógio sempre pressionando os prazos, o trabalhador nem sequer consegue pensar em algo como “Contentamento” (Samtosha). O que é algo triste e assustador.

Imagine, por apenas um instante, se para se fechar um contrato de Negócios, as empresas envolvidas levassem em conta os princípios éticos e morais do Yoga. Apenas considerando-se Satya (compromisso com a verdade) o planeta seria diferente. Não precisaríamos nem dos demais.

Com sabemos que o mundo não muda, quando nós próprios não mudamos, deixo aqui a proposta de fazermos um exercício: escolher um dos preceitos acima citados – obviamente os que mais se adequam ao tema aqui apresentado – e seguí-lo pelos próximos dias quando estivermos no trabalho. Observe qual o esforço necessário, quais os momentos de maior facilidade ou dificuldade para tal, quando há vontade de não o fazê-lo, enfim... Tente observar como você se sai nos próximos dias.
Se quiser compartilhar suas experiências, fique à vontade!

Bons fluídos, viva seu Dharma, Namastê.

quinta-feira, 19 de março de 2015

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

MENSAGEM DE NATAL



"O espírito natalino já começa a tomar conta da cidade nessa época do ano, as decorações no comércio, as luzes, o planejamento das festas de confraternização. E embora se trate de uma festa de tradição Cristã, na qual o consumismo ganha ainda mais espaço, toda essa atmosfera, dificilmente nos deixa esquecer que o Natal está chegando mais uma vez.
Mas acima dessas influências impostas pelo materialismo, se trata de uma ocasião oportuna para reflexões importantes. Representa um convite à essência do Natal e o grande homenageado desta data, que é Jesus e seus ensinamentos transformadores.

Quando nos permitimos nos conectar aos valores espirituais eternos deixados pelo Cristo, O melhor presente que a humanidade poderia receber, nossos corações se enchem de esperança e fé, trazendo um sentido especial para a vida.
Lembrando simbolicamente o nascimento de Jesus, podemos sentir sua força brilhar, valorizando o que há de melhor dentro de nós, ajudando a fortalecer nossa relação com as pessoas e principalmente, conosco mesmos.

Em meio a tantas distrações impostas pelo consumo exagerado nesse período, que tal aproveitar o Natal para compartilhar afeto com aqueles que você ama e também se permitindo olhar com mais ternura para o próximo? 

É tempo de repensar atitudes e sentimentos. O mundo precisa com urgência de mais amor."

Fonte: Clube Amigos da Boa Nova


É com essa energia, renovadora e consciente, que desejo a todos um excelente final de ano, com muita reflexão, e um 2015 repleto de realizações, saúde e paz.

Namastê. 




sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Novas turmas - Janeiro/15



Pessoal,

Dia 05/01/15, novas turmas se iniciam !!

Toda segunda e quarta, das 20h às 21h15.

Venha praticar Yoga com a gente. Descontos de 10% para casais.

Atenção: temos apenas 5 vagas para esse horário. Reserve a sua o quanto antes.

www.yogasorocaba.com.br 

Namastê.